fbpx

| , , ,

A Educação de Jovens e Adultos – modalidade de ensino voltada para as pessoas que não completaram os estudos na idade adequada – tem sido historicamente atacada. Durante a pandemia, esses ataques foram intensificados pela Prefeitura de São Paulo.

Apesar da educação ser um direito universal previsto pela constituição, não é isso que acontece na prática, tendo em vista que salas e turmas da EJA estão sendo deliberadamente fechadas no município.

Com o fechamento de turmas, alunos são concentrados em outras unidades de ensino distantes de suas residências ou locais de trabalho, aumentando a evasão escolar. Outra consequência é a superlotação de salas, que prejudica o processo de aprendizagem de cada aluno.

Essa modalidade de ensino também tem sido prejudicada com a implantação do Programa de Ensino Integral (PEI) nas escolas, um projeto autoritário, marketeiro e excludente do ex-governador João Doria. Com o ensino integral, salas do período noturno são fechadas, prejudicando os alunos que possuem apenas esse horário como opção para darem continuidade aos estudos.

Se voltar a estudar já é desafiador por si só, imagine em um contexto de sucateamento do ensino e violação de direitos?

Diante desse ataque histórico, participei em 2019 da idealização do Conselho da Educação de Jovens e Adultos no mandato do vereador Celso Giannazi, um espaço permanente na Câmara Municipal para acolher as demandas dos educandos e educadores, debater os diversos problemas envolvendo a educação para jovens e adultos, formular soluções e encaminhamentos de maneira coletiva e acompanhar o fechamento das salas no município.

Lançamento do Conselho da EJA – 2019

O Conselho da EJA tem como base os ensinamentos do mestre Paulo Freire, que entende a educação como um instrumento de libertação do ser humano de suas opressões. É a partir dela que o ser humano se emancipa e passa a ter consciência dos seus direitos, passando a ser capaz de reivindicá-los de forma autônoma.

Além do conselho, participei da formulação do Observatório da Demanda, um instrumento fiscalizador da execução de políticas públicas referentes à EJA, para atender as demandas, lutar contra o fechamento de turmas e monitorar se as condições de ensino estão adequadas.

A Educação é um direito de todos!